STJ define que titular de cartório de registro de imóveis não é responsável por atos lesivos praticados por antecessor

Superior Tribunal de Justiça

A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu provimento ao recurso especial do titular de um cartório de registro de imóveis localizado em Olinda (PE) e decidiu que o mesmo não é responsável pelos atos lesivos cometidos por seu antecessor, já que não há sucessão empresarial quanto aos atos do antigo titular da serventia extrajudicial.

Para o ministro Paulo de Tarso Sanseverino, relator do recurso no STJ:

"Não há sucessão empresarial em relação aos atos praticados pelo antigo titular da serventia extrajudicial, podendo ser eventualmente responsabilizada a pessoa jurídica responsável pela delegação (Estado)".

O relator ainda destacou que, em outras situações, o STJ já tinha expressado que os serviços notariais e de registro não possuem personalidade jurídica, considerando, portanto, legitimado para responder pelos danos causados por ato seu ou dos seus prepostos a própria pessoa física que era titular da serventia à época.

Processo: REsp 1340805

Publicações mais recentes

TRT de Campinas/SP confirma demissão por justa causa por conta de postagens difamatórias no Facebook
Trabalhista
Tribunal Superior do Trabalho dispensa empregadores de controlar jornada de trabalhador
Trabalhista
Justiça do Trabalho autoriza quebra de sigilo de e-mail pessoal de ex-funcionário